terça-feira, 27 de junho de 2017

Convite a Viagem!



Amigos e amigas acompanhantes do blog Arquivo anônimo em todo o brasil, avisamos de antemão que esse post tem tom mais sério, motivo pelo qual pedimos desculpas à quem acompanhava o blog pelo tom brejeiro que lhe é característico. Às vezes é necessário seriedade, principalmente quando estamos abrindo ou fechando algum processo.

Avisamos a Todxs que pretendemos com este post encaminhar os leitores à um passeio turístico que será nosso relatório final que, contem, de uma forma ou de outra, toda a produção do blog Arquivo anônimo.

Esta aba do blog apresentará um panorama geral das atividades realizadas, bem como alguns palpites abalizados sobre como, por que e quando apreendemos alguns conceitos utilizados ao longo deste processo de aprendizagem ímpar.

Por esse motivo os convidamos para embarcar nessa aventura.
Clique no link a seguir e aproveite o passeio:


Trabalho Final, clique Aqui!

SAQ de desligamento ou Perguntas frequentes de quem foi desligado.



Fala moçada acompanhante de luxo do arquivo anônimo tudo firma por ai? 

Depois de alguns feedbacks de nossos fiéis leitores a respeito de nossa apresentação virtual resolvemos criar um "caso" Xis com as perguntas mais fraquentes de alunos em situação de desligado para facilitar o trabalho de quem se encontra nesse limbo acadêmico.


Apresentaremos no post o top 10 de perguntas que podem salvar sua vida então nos comentem abaixo se este post ajudou.



Fui desligado da UnB, o que isso quer dizer?
Desligamento aqui mencionado se refere à condição em que o indivíduo perde o vínculo de aluno com a Universidade. Esse desligamento ocorre se o aluno se encontrar nas situações a seguir:
I. Não cumprir a condição de ser aprovado no número mínimo de créditos estabelecido pelo curso, em cada um de dois períodos letivos subsequentes;
II. For reprovado três vezes em disciplina obrigatória do seu curso;
III. Enquadrar-se nos critérios eliminatórios específicos do seu curso;
IV. Cometer infração disciplinar cominada com expulsão, de acordo com o Código de Ética;
V. Não concluir seu curso no prazo máximo legal (desligamento por jubilamento);
VI. Por iniciativa própria, desistir do vínculo com seu curso (desligamento voluntário);
VII. Durante dois semestres consecutivos, não efetivar matrícula em nenhuma disciplina ou que, embora matriculado, tenha sido reprovado com menção SR (Sem Rendimento) em todas as disciplinas (desligamento por abandono).
(Guia do Calouro do 1º semestre de 2017)

O que posso fazer a respeito?
O aluno que já foi desligado tem até um ano, contando a partir da data de desligamento, para solicitar reintegração.
A solicitação de reintegração deve ser levada aos postos de atendimento da Secretaria de Assuntos Acadêmicos – SAA do curso do aluno e deverá obedecer aos critérios e ao cronograma constante em edital do DEG publicado no início de cada semestre.

As etapas do processo no edital eventualmente serão:
1.       Lançamento do edital;
2.       Período para solicitar a reintegração no posto avançado da SAA;
3.       Posto avançado da SAA monta e encaminha os processos para as Unidades Acadêmicas;
4.       Análise dos Colegiados de Curso;
5.       Unidades Acadêmicas encaminham via SEI os processos analisados para o DEG/DAIA/CAO;
6.       Divulgação do Resultado Parcial no portal da UnB/DEG;
7.       Período para entrar com recurso contra o resultado parcial;
8.       Homologação dos resultados pela CEG/DEG;
9.       Resultado final no portal da UnB/DEG;

O que é preciso para dar início ao processo?
É simples! Basta entregar preenchido o Formulário Solicitação de Reintegração na SAA de seu curso na data estipulada pelo edital. Lembrando que se for necessária comprovação de alguma situação que justifique a reintegração do aluno, o(s) documento(s) também deverá(ão) ser apresentado(s) junto com o formulário no momento da solicitação, conforme orientará o edital.

Qual o caminho que esse processo percorre?
Esse “Caminho” que o documento percorre, na terminologia arquivística é chamado de “Tramitação” ou ainda “Trâmite” para os mais íntimos. O Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, obra do Arquivo Nacional, define tramitação como “Curso do documento desde a sua produção ou recepção até o cumprimento de sua função administrativa. Também chamado movimentação ou trâmite”.
Na Universidade de Brasília a tramitação do Processo de Reintegração é dada conforme o esquematizado pelo Manual do Calouro e representado abaixo:




Quando o processo é concluído, eu posso ficar com o processo original?
Não

Ué, por quê não?
Para entendermos isso é necessário explicar outro conceito da Arquivologia: O conceito de Produtor Arquivístico.
O Produtor Arquivístico é a pessoa/entidade que acumula um determinado documento para uso de prova das suas atividades. Nesse contexto o Produtor é diferente da pessoa que cria ou emite um determinado documento.

Exemplo prático:
Um exercício prático passado em sala de aula pelo professor André Lopez, que ajuda a entender a importância de separarmos a pessoa que produz um documento arquivístico da pessoa que cria um documento é o caso de nosso Registro Geral ou “RG”.
No RG, há o nome de seu criador/emissor, que é usualmente a Secretaria de Segurança Pública de Estado. Se você possui um RG, esse documento faz parte de seu arquivo pessoal para comprovar seu registro civil, você é o Produtor Arquivístico deste documento.
É possível observarmos outro exemplo se imaginarmos que tenhamos que apresentar esse mesmo RG no momento da admissão a uma empresa que supostamente iríamos trabalhar. A empresa, em posse de uma cópia autenticada deste documento (Que possui os mesmos efeitos da original), que utiliza esse documento para comprovar os dados do funcionário, seria o Produtor arquivístico.
Considerarmos que produtor e o emissor/criador são a mesma pessoa faz tanto sentido quanto entregarmos nosso RG à SSP porque foi ela que emitiu o documento.

Voltando à nossa Realidade, o Produtor Arquivístico do Processo de Reintegração não é o aluno, mas a SAA, que utiliza do documento para contemplar e provar suas atividades. Aqui o aluno assume o papel de criador do documento no momento que preenche e assina o formulário; e entrega a documentação de comprovação.

Estou desesperado! É possível falsificar ou alterar alguma informação a meu favor?
De forma nenhuma recomendamos que o aluno faça isso. É possível? Você pode tentar, mas sem esquecer o que diz o artigo 297 do Direito Penal a respeito de falsidade material: “Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro: Pena – reclusão, de dois a seis anos, e multa”.
O processo em si mostra algumas características que lhe conferem autenticidade.
O primeiro elemento a se considerar são as pessoas envolvidas no processo. O Aluno que cria a solicitação; a SAA que compõe/Autua o Processo; A Unidade Acadêmica que encaminha o processo para análise; e o Colegiado de Graduação que analisa e delibera sobre o processo.
Em seguida, as características físicas de cada componente do processo, como timbres, local para assinaturas e carimbos.
Logo após, devemos considerar a tramitação do processo.
As pessoas as características físicas e a tramitação são estudadas e definidas justamente para esclarecer se um documento é autêntico ou não. A Disciplina que se preocupa em estudar esses elementos de autenticidade é chamada de Diplomática.
Caso um o aluno insista na tola ideia de interferir nesse processo, considerando que ele consiga fazer se passar pelas pessoas envolvidas no processo, imitar fielmente as características físicas do documento, e conseguir simular o trâmite e fazer todos acreditarem que o documento passou por todas as etapas da tramitação, o aluno ainda teria que suplicar bastante para que o colegiado que delibera o processo entenda como válido.

Alguma outra consideração?
As principais dicas que podemos dar são:
·         Seja honesto e não minta em sua justificativa. A universidade já garante ao aluno uma série de direitos que podem resgatados se apenas dissermos a verdade
·         Informe-se! Mantenha-se antenado com o edital e saiba quanto a seus direitos e principalmente suas obrigações para com o edital.
·         Seja sucinto e claro.
·         Mostre e prove que você será capaz; e que está motivado em concluir seu curso.
·         Prove todas as suas ações. Utilize da maior quantidade de documentos que puder para provar que o que é dito na justificativa é verdade.




Referências
UNB. Guia do calouro 1º/2017. Disponível em <http://www.boasvindas.unb.br/images/guia_calouro.pdf>. Acesso em: 08.06.2017.
UNB. Edital de Reintegração 1º/2017. Disponível em <http://unb2.unb.br/administracao/decanatos/deg/downloads/edital/2017/edital_deg_01_2017_reintegracao.pdf>. Acesso em: 08.06.2017.
UNB. Instrução Normativa da Câmara de Ensino de Graduação nº 001/2014. Disponível em <http://unb2.unb.br/administracao/decanatos/deg/downloads/cao/intrucao_normativa_2014.pdf>. Acesso em: 08.06.2017.
UNB. Formulário I - Solicitação para Reintegração. Disponível em <http://unb2.unb.br/administracao/decanatos/deg/downloads/edital/2017/formulario_1_edital_01_2017.doc>. Acesso em: 08.06.2017.
INSTITUTO APROVAÇÃO. Diferenças Entre os Crimes de Falsificação de Documento e Falsidade Ideológica. Disponível em <http://institutoaprovacao.com.br/direito-penal-diferencas-entre-os-crimes-de-falsificacao-de-documento-e-falsidade-ideologica>. Acesso em: 08.06.2017.
ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 232 p. Disponível em <http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf>. Acesso em: 08.06.2017.


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Oficina Virtual

Fala meu povo lindo do Blog anônimo!!!
Após oficina realizada e duas semaninhas de descanso trazemos a você que
não poderam comparecer no fia 09/06 
nossa oficina em modo virtual!



Gravamos um video todo especial dando um gostinho de nossa apresentação
e esperamos muito que gostem  e compartilhem.
Dá um confere ai:

video














Oficina Virtual arquivo anonimo!

terça-feira, 6 de junho de 2017

Parte "pedante" apresentação do conceitos e base para oficina do dia 09/06


Bom dia arquivistas e arquivantes que acompanham o blog Arquivo anônimo. 

No post de hoje pretendemos aqui convidar a tudo e a todos para acompanhar a oficina sobre reintegração de aluno desligado no Minhocão da Unb no dia 09 de junho de 2017.
A oficina consistira em uma exposição dos melhores caminhos à serem feitos por um aluno que por algum motivo foi desligado da universidade e pretende regressar.  

Para além do convite apresentaremos com detalhes neste post os conceitos utilizados para embasar nossa apresentação, que a despeito de ser um "mimimi" interminável, é extremamente importante para conceitualização do trabalho.

Tal qual a aba da pagina youtube intitulado "estatiscas para Nerds" esmiuçaremos aqui todo o aporte e pesquisa intelectual que nos levou à essa oficina.
    
Apresentação de conceitos:

É de notório saber, para quem acompanha nosso blog, que esta é uma pagina criada para atender as demandadas discentes da  matéria "Diplomática e tipologia documental" e, seria no minimo injusto se não trouxéssemos aqui o arcabouço teórico arquivístico.

Segundo o DICIONÁRIO BRASILEIRO de Terminologia Arquivística (link aqui; dicionário ) a definição dos seguintes termos é clara:

Arquivo: 
1 Conjunto de documentos documentos produzidos e acumulados por uma entidade coletiva, pública ou privada, pessoa ou família, no desempenho de suas atividades, independentemente da natureza do suporte. suporte Ver também fundo. 2 Instituição ou serviço que tem por finalidade a custódia, o custódia processamento técnico, a processamento técnico conservação e o conservação acesso(1) acesso(1) a acesso(1) documentos. documentos 3 Instalações onde funcionam arquivos(2) arquivos(2). arquivos(2) 4 Móvel destinado à guarda de documentos.

Arquivo central: 
Arquivoresponsável pela normalização dos procedimentos técnicos aplicados aos arquivos(1) de uma vos(1) administração, podendo ou não assumir a centralização do armazenamento. armazenamento Também chamado arquivo geral. Em alguns países, a expressão designa o arquivo nacional arquivo nacional. arquivo nacional Ver também arquivo setorial arquivo setorial.

Documento:
Unidade de registro de informações, qual informações quer que seja o suporte ou suporte formato

Arquivologia:
Disciplina que estuda as funções do arquivo(2) arquivo(2) e arquivo(2) os princípios e técnicas a serem observados na
produção, organização, guarda, preservação e preservação utilização dos arquivos(1) arquivos(1). arquivos(1) Também chamada
arquivística.

Processo:
Conjunto de documentos documentos oficialmente reunidos no decurso de uma ação administrativa ou judicial, que constitui uma unidade de arquivamento. unidade de arquivamento Ver também dossiê.

Dossiê:
Conjunto de documentos documentos relacionados entre si por assunto (ação, evento, pessoa, lugar, projeto),
que constitui uma unidade de arquivamento. unidade de arquivamento Ver também processo.

Diplomática: 
Disciplina que tem como objeto o estudo da estrutura formal e da autenticidade dos documentos.

Tipo documental:
Divisão de espécie documental espécie documental espécie documental que reúne documentos por documentos suas características comuns no que diz respeito à fórmula diplomática, natureza de conteúdo ou técnica do registro. São exemplos de tipos documentais cartas precatórias, cartas régias, cartas-patentes, decretos sem número, decretos-leis, decretos legislativos, daguerreótipos, litogravuras, serigrafias, xilogravuras.

Feito isso avisamo aos leitores que essa definições não estão esgotadas e que de uma forma ou de outra podem ser acrecidos de significados e significantes.

Traremos aqui também como forma de embasar nossa oficina a legislação pertinente aos processo de reintegração que seguem nos links a baixo:







sexta-feira, 2 de junho de 2017

Cronograma Atividades do processo de reintegração




Lançamento do edital
http://www.deg.unb.br/images/editais/reintegracao/2017/edital_deg_01_2017_reintegracao.pdf

Período para solicitar a reintegração no posto avançado da SAA  
Posto avançado da SAA monta e encaminha os processos para as Unidades Acadêmicas   
Análise dos Colegiados de Curso  
 Unidades Acadêmicas encaminham via SEI os processos analisados para o DEG/DAIA/CAO  
Divulgação do Resultado Parcial no portal da UnB/DEG  
Período para entrar com recurso contra o resultado parcial
Homologação dos resultados pela CEG/DEG  

Resultado final no portal da UnB/DEG 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Estruturando o trabalho final

O processo:

- Todos os universitários, aplicados ou não, estão sujeitos ao tenebroso desligamento de curso de graduação. Nessa trabalho tentaremos explicar quais são os melhores caminhos ou até mesmo o caminho “certo” para ser religado a UnB.


Objetivo do Trabalho:

- Análise diplomática dos documentos do processo de reintegração;
- Comparação entre processos de reintegração realizados em momentos distintos;
- Apresentação do processo de reintegração.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Plano de Classificação do Arquivo do Grupo Arquivo Anônimo.

O que pudemos observar até agora?

É fácil notar que modificamos a forma da apresentação, mas a lógica que usamos para identificação da série permanece a mesma. Da versão anterior da minuta pudemos retirar algumas funções em nosso fundo de arquivo.

Mudamos a ordem das colunas de “Função” e “Espécie”, apenas para efeitos práticos, mas os resultados que obtivemos com a denominação da Série foram o mesmo.

Retiramos a coluna de avaliação no momento, pois, para que possamos fazer uma avaliação mais precisa, é necessário um estudo mais detalhado das flexões de Forma das Espécies encontradas. Nas próximas versões do trabalho apresentaremos ideias mais maduras sobre a Forma dos nossos documentos e como essa flexão da Espécie pode influenciar na avaliação.

Outra modificação feita ao final: a criação de uma coluna denominada “Grupo” para unir funções semelhantes, mas sua utilidade ainda será revisada devido a sua fluidez, pois à medida que aparecem novos documentos, as classes desse nível passam por revisões.

Ainda no esforço para criar nosso Plano de Classificação, fomos desafiados pelo professor em sala a reestruturar o esboço anterior utilizando algum código. E é assim que apresentamos nossa segunda minuta do instrumento de classificação:


Grupo
Função
Espécie
Série


1. Registro de atividades

Nota: As atividades aqui mencionadas são as atividades que o professor eventualmente usa para avaliação do aluno e/ou grupo de trabalho
1.1. Registro de atividades realizadas em grupo.
.1 Postagem no blog.
1.1.1 Postagem de atividade realizada em Grupo via blog.

.2 Conversas no WhatsApp.
1.1.2 Registro de Entrega de Atividade em grupo via WhatsApp.

.3 E-mail.
1.1.3 Registro de Entrega de Atividade em grupo via E-mail.

1.2. Registrar as atividades realizadas por cada integrante do grupo.
.1 Postagem no blog..
2.1.1 Postagem de atividade individual via blog.

.2 Conversas no WhatsApp.
2.1.2 Registro de Entrega de Atividade individual via WhatsApp.

.2 E-mail.
2.1.3 Registro de Entrega de Atividade individual via E-mail.

1.3 Registrar a divulgação de informações relevantes.
.1 Postagem no Blog.
1.3.1 Postagem de informações relevantes.

2. Registro da comunicação do grupo.
2.1 Comprovar a comunicação com o Professor.
.1 Conversas no WhatsApp.
2.1.1 Registro de comunicação com o professor via WhatsApp.

.2 E-mail.
2.1.2 Registro de comunicação com o professor via E-mail.

2.2 Comprovar a comunicação entre os integrantes do grupo.
.1 Conversas no WhatsApp.
2.2.1 Registro de comunicação os membros do grupo via WhatsApp.

.2 E-mail.
2.2.2 Registro de comunicação com entre os membros do grupo via E-mail.

3. Memória institucional do grupo
3.1 Registrar a criação e o foco do grupo.
.1 Declaração de criação.
3.1.1 Declaração de criação e registro do foco do grupo.

4. Registros de aula
.1 Guarda de Registros de aula.
.1 Conversa no WhatsApp.
.1.1 Registro de aulas ministradas via WhatsApp.

.2 Anotações no caderno.
.1.2 Registro escrito das aulas ministradas.



sexta-feira, 12 de maio de 2017

Minuta do Plano de Classificação do Arquivo do Grupo Arquivo Anônimo.


Os anônimos buscando melhorar a gestão de seus documentos elaborou a 1ª minuta do Plano de Classificação dos documentos do grupo. O documento seguirá para análise do CONARQ após revisões e sugestões que serão recebidas pelos comentários deste post.



Documentos: Blog, WhatsApp, E-mail, Declaração de Criação,



Tipo Documental

Espécie
Função
Avaliação
Postagem de atividade em grupo
Registrar as atividades realizadas pelo grupo.
2 anos
Postagem de atividade individual
Registrar as atividades realizadas por cada integrante do grupo.
2 anos
Postagem de notícias
Registrar a divulgação de informações relevantes.
6 meses
Conversas do Whats

Comprovar a comunicação entre os integrantes do grupo.
6 meses
Comprovar a comunicação com o Professor.
2 anos
Registro de aula ministrada on-line.
2 anos
Declaração de criação
Registrar a criação e o foco do grupo.
Guarda Permanente
E-mails
Comprovar a comunicação entre os integrantes do grupo.
2 anos
Comprovar a comunicação com o Professor.
2 anos





#SEXTOU!



Você foi Contratado! - Situação problema.

Você jovem Arquivista, recém formado, foi contratado para participar do projeto de elaboração do plano de classificação de uma grande instituição internacional (Acredite!!!). Durante a sua primeira reunião com diversas lideranças organizacionais o Diretor-Presidente da instituição propõem de forma indireta a criação de uma "classificação estrutural". O que fazer? Quais argumentos utilizar?



sexta-feira, 5 de maio de 2017

Análise Diplomática

1.       Características Extrínsecas:
1.1. Suporte: Papel A4 Reciclado;
1.2. Texto:
1.2.1.       Tipo de Escrita: Impressa e Manuscrita;
1.2.2.       Fonte: Não identificada;
1.2.3.       Rasuras: Identificada uma rasura no campo “turma”;
1.2.4.       Abreviações: Identificada abreviações manuscritas nos campos: “taxa – Solicitação” e “taxa – Crédito”(utilizado PG); e abreviações impressas na titulação e nos campos: “matrícula”, “CEP”, anotações – “assinatura/carimbo do servidor” (utilizado UnB, SAA e CEP).
1.3. Linguagem: Formal;
1.4. Sinais Especiais: Não identificado;
1.5. Selo: Não utilizado;
1.6. Anotações:
1.6.1.       Autenticação: Assinatura, carimbo e data nos campos “assinatura do interessado”, “data”, “assinatura/carimbo do coordenador”, e “assinatura/carimbo do Servidor do SAA”, sendo detectado que o último campo não contém carimbo do Servidor.
1.6.2.       Registro: Confirma-se o deferimento da solicitação de matricula na disciplina, bem como o pagamento da taxa de solicitação e de taxa crédito e a data de registro do processamento pelo SAA.
1.7. Anotação feitas pelo arquivo: Não existem anotações.

2.       Características Intrínsecas:
2.1. Titulação: Universidade de Brasília – UnB / Secretaria de Administração Acadêmica – SAA. Solicitação de Admissão como Aluno Especial na Pós-Graduação.
2.2. Título: Solicitação de Admissão como Aluno Especial na Pós-Graduação.
2.3. Datas: Data da entrega da Solicitação – 30/10/2012; Data do processamento pelo SAA – 19/12/2012; Data do parecer do colegiado não preenchida.
2.4. Invocação: Não se aplica;
2.5. Protocolo: Não se aplica;
2.6. Texto: O documento se apresenta como formulário impresso com campo para inclusão de dados com preenchimento manuscrito;
2.7. Escatocolo: Não se aplica;

3.       Pessoas: Interessado; Coordenador de Pós-Graduação, Servidor do SAA;
4.       Qualificação:
5.       Tipo de Ação:
6.       Relação entre documento e procedimento:
7.       Descrição Diplomática:
8.       Tipo de Documento:
9.       Comentários Conclusivos:


sexta-feira, 28 de abril de 2017

Análise do documento do grupo Desarquivando

Os anônimos foram convocados para analisar a veracidade e autenticidade de um documento que circula na internet (https://dtdunb20171.wordpress.com/). Após uma análise diplomática profunda os anônimos conseguiram identificar que o documento foi adulterado. O documento é identificado como sendo um comprovante do Banco do Brasil, porém no meio do documento aparece o nome da Caixa Economia Federal.




Comprovante Falso no Cinema?

Um integrante dos anônimos foi ao Cinema no último final de semana. Ao apresentar a sua carteirinha de estudante com o seu comprovante de matricula o responsável pela conferência de veracidade e autenticidade dos documentos ficou na dúvida...

Tiramos uma foto do comprovante para vocês me falarem o que vocês acham!




sexta-feira, 7 de abril de 2017

sexta-feira, 31 de março de 2017

Diário da Atividade de 24 de Março de 2017.

Os "anônimos" inspirados na Fábula do Elefante e dos Cegos buscaram compreender as séries documentais do Acervo Permanente do Arquivo Central. Por meio de experiências diferentes (visualização do acervo, pesquisa em campo, entrevista com especialista) construímos o que consideramos ser esse "maravilhoso elefante".   

1. Quais as espécies documentais existentes no CEDOC?
Dossiês, Atas de Reunião.

2. Quais as correspondentes funções de tais espécies?
Dossiê - Conjunto de documentos relacionados entre si por assunto (ação, evento, pessoa, lugar, projeto), que constitui uma unidade de arquivamento.
Atas de Reunião - A ata é um documento que trata de acordos e decisões tomadas em uma reunião oficial ou privada.

3. Quais os tipos documentais existentes no CEDOC?
Certificados de conclusão de curso, Ata de reunião da CONSUNI, Dossiê do criador do curso de psicologia, notícias de jornal.

4. Que ações arquivísticas poderiam ser implantadas no CEDOC?
Ações arquivisticas no sentido de ampliar a divulgação de documentos com valor histórico pra comunidade da UNB por meio de exposições, visitas guiadas.


5. Sugira um plano de classificação para os documentos do CEDOC
Classificar por tipo documental (séries) e não por assunto, preservando assim o contexto de produção dos documentos.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Diário de Atividade – Visita ao Arquivo Central da UnB

Em 17.03.2017 o Professor André Porto Ancona Lopez, que ministra a disciplina de Diplomática e Tipologia Documental na Faculdade de Ciência da Informação da UnB, conduziu a turma em uma visita ao Arquivo Central da Universidade para análise de alguns documentos, que serviriam de base para uma atividade voltada para a disciplina.

A proposta era empregar os conhecimentos adquiridos na leitura do texto “Identificação de tipologias documentais em acervos de trabalhadores” (SOUZA, 2012), em uma analise das séries documentais que vimos na visita ao Arquivo.


Na primeira tarefa utilizamos o modelo de análise diplomática mínima da “ficha 1” do texto (pg. 24), nos documentos conforme abaixo:


Analise diplomática mínima

Denominação do documento: Processo de Compra de Material Permanente.
Forma: original
Formato e dimensões: Processo com folhas de dimensão A4
Suporte: papel
Gênero: textual
Validação: assinatura, carimbo, papel timbrado
Denominação do documento: Processo de gestão de transferência de aluno.
Forma: original
Formato e dimensões: Processo com folhas de dimensão A4
Suporte: papel
Gênero: textual
Validação: assinatura, carimbo, papel timbrado
Denominação do documento: Processo de Requerimento de adicional noturno.
Forma: original
Formato e dimensões: Processo com folhas de dimensão A4
Suporte: papel
Gênero: textual
Validação: assinatura, carimbo, papel timbrado


No próximo passo foi utilizamos o esquema lógico do “quadro 2” (pg. 25) para montar uma tabela de contextualização tipológica com os documentos estudados e esse foi o resultado que obtivemos:

Fundo/Titular
Espécie
Função Arquivística
Tipo Arquivístico
Universidade de Brasília – UnB
Processo de Compra
Registro da atividade de compra de pequeno valor
Processo de compra para registro da atividade de compra de pequeno valor (Simplificável para processo de compra de pequeno valor)
Universidade de Brasília – UnB
Processo de transferência
Registro das transferências obrigatórias indeferidas
Processo de transferência para registro de transferências obrigatórias indeferidas (Simplificável para Processo de transferência obrigatória indeferida)
Universidade de Brasília – UnB
Solicitação de adicional noturno
Registro das solicitações de pagamentos do adicional noturno
Solicitação de adicional noturno para registro das solicitações de pagamento do adicional noturno (Simplificável para solicitações e registro de pagamento de adicional noturno)



Logo após, tivemos elaboramos um Plano de Classificação Tipológica aos moldes do mostrado no “quadro 3” (pg. 29) do texto, com os documentos em análise.


Fundo: Fundação Universidade de Brasília – FUB/UnB
Organismo: Arquivo Central – ACE

Concessão de Direitos e Benefícios
Função
Espécie
Nº de Docs
Datas-limite
Registro das solicitações de pagamentos do adicional noturno
Solicitações de adicional noturno
30
[Jan/08?-Dez/12?]
Licitação de Fornecimento de Bens Materiais
Função
Espécie
Nº de Docs
Datas-limite
Registro das atividades de compras de pequeno valor
Processo de compra
12
[Dez/08?-Dez/12?]
Seleção e Admissão de Discentes
Função
Espécie
Nº de Docs
Datas-limite
Registro das transferências obrigatórias indeferidas
Processo de transferência
6
[Jan/99?-Dez/12?]


Ao final criamos um esquema, mesclando a ideia do Plano de Classificação Tipológica do “quadro 3” (pg. 29) e o Plano de Classificação dos Documentos de Arquivo da Universidade Federal de Lavras – UFLa, utilizando os documentos analisados na visita como exemplo.

Fundo: Fundação Universidade de Brasília – FUB/UnB
Organismo: Arquivo Central – ACE

020 GESTÃO DE PESSOAS
020.7 Concessão de Direitos e Benefícios
020.7.01 Registro das solicitações de pagamento do adicional noturno
020.07.01.03 Requerimento de adicional noturno

030 GESTÃO DE RECURSOS MATERIAIS E OBRAS
030.2 Licitação de Fornecimento de Bens Materiais
030.2.01 Registro da atividade de compra de material permanente
030.2.01.01 Processo de Compra

100 GRADUAÇÃO
120 Seleção e Admissão de Discentes
128 Registro das transferências obrigatórias (ou a Ex-Ofício)
128.01 Processo de Transferência


REFERÊNCIAS

A maioria das atividades, em exceção à última, tem base no texto do professor, a única referência tirada de fora do texto foi o Plano de Classificação da Universidade de Lavras, retirado do Manual de Gestão Arquivística de Documentos da universidade.

UFLA. Manual de Gestão Arquivística de Documentos. Disponível em <http://www.proplag.ufla.br/site/wp-content/uploads/2012/03/MANUAL-E-PLANO-DE-CLASSIFICACAO.pdf> Acesso em 23.03.2017.

LOPEZ, A. Identificação de tipologias documentais em acervos de trabalhadores. In: MARQUES, Antonio José; STAMPA, Inez Tereznha Stampa. (Orgs.). Arquivos do mundo dos trabalhadores: coletânea do 2º Seminário Internacional. São Paulo; Rio de Janeiro: CUT; Arquivo Nacional, 2012, p. 15-31. Disponível em <https://www.marxists.org/portugues/tematica/livros/diversos/arquivo02.pdf> Acesso em 23.03.2017